terça-feira, 25 de outubro de 2011

Meditação - Aprendendo a olhar para dentro

Parte I

“Quem olha para fora sonha;
quem olha para dentro, acorda.”
 Jung

O estilo de vida que adotamos, principalmente nos grandes centros, faz com que fiquemos voltados o tempo todo para os apelos externos – que são inúmeros e concorrem entre si. É fácil perceber como a vida está pautada nos referenciais externos. O valor de uma pessoa é medido pela sua competência, entendida basicamente como a capacidade de gerar resultados nas ações voltadas para fora – pessoal e profissionalmente. Vivemos numa aceleração totalmente arbitrária que desrespeita nossos ritmos naturais, causando uma grande confusão orgânica e psíquica. Nossas vivências mais elementares são mediadas por tecnologias sofisticadas que vão se tornando imprescindíveis. Estamos tão ocupados em absorver informação externa – muitas vezes descartável e inútil - que ignoramos sistematicamente nossa principal fonte de informação que é interna. Meditar é adquirir o controle da própria energia psíquica e acessar nossa fonte de informação interna, que é perfeita e está disponível permanentemente.


O termo meditação é abrangente e contempla diversos métodos de educação mental. Embora as diversas técnicas estejam presentes em diferentes tradições espirituais, a prática da meditação e os seus benefícios independem da adesão a qualquer sistema religioso. Como exercício mental, sua prática não entra em conflito com nenhuma religião. 

O método de meditação baseado na concentração em um único ponto é o mais comumente praticado. Ao focar em um único ponto - que chamamos de “âncora” -  estamos mantendo nossa atenção em um canal muito afiado, no qual a densidade de energia psíquica fica muito maior. As implicações disso são tremendas. Os físicos quânticos vêm estudando o que as tradições espirituais já sabem há milênios: quanto maior a densidade de energia, maior o poder criador da consciência no mundo objetivo.

Estamos criando nossa própria realidade a todo momento, através do modo como pensamos – gostemos disso ou não. Nossa realidade é a materialização dos nossos padrões mentais. O grande problema é que habitualmente somos tomados por uma cadeia de pensamentos involuntários. Em geral, temos muito pouco controle sobre os nossos processos psíquicos. É muito difícil identificar em que momento fomos tomados por um determinado pensamento. Quando percebemos já fomos capturados por uma teia mental.

Podemos ilustrar esse processo da seguinte maneira. Suponha que um acontecimento qualquer do cotidiano faça você se lembrar de uma experiência significativa do passado. Essa lembrança aciona um pensamento que sempre terá uma ou mais emoções envolvidas – boas ou más. Pensamento e emoção estão intimamente relacionados – um serve de combustível para o outro. A emoção ativada vai alimentar outros pensamentos compatíveis com aquele padrão emocional e com o pensamento original. Os pensamentos sempre “andam em turma” – cuidado! Se esse processo evoluir de forma autônoma, você ficará preso em uma “prisão perceptual” que influenciará a leitura que você faz da situação em que está e, consequentemente, sua maneira de se posicionar.

A meditação é o treino sistemático para educarmos nossos processos mentais e identificarmos os gatilhos que ativam a cadeia de pensamentos/sentimentos nocivos. Ela permite sair da “zona de ruído” da nossa própria turbulência mental, para que possamos acessar um ponto mais sutil e elevado do nosso próprio ser (que não está contaminado pela experiência). Esse é o ponto onde encontramos orientação, inspiração, serenidade, apoio e os insights – que podem trazer soluções para os nossos maiores desafios.

Texto: Sandra Felicidade - Psicóloga - CRP 08/12815. Consultora, coach e psicoterapeuta, tendo como base a Psicologia Sistêmica e a Psicologia Analítica (Jung). Há vinte anos vem trabalhando com desenvolvimento de pessoas e organizações, utilizando a metodologia dos jogos cooperativos em tabuleiro. É autora de Relações em Jogo® e facilitadora do Jogo da Transformação® - credenciada pela InnerLinks Associates. Praticante de meditação há mais de 20 anos.

Contatos: (41) 3093-9989 / (41) 9841-4078  
sandra.happiness@terra.com.brhttp://br.linkedin.com/in/sandrafelicidade

Vídeo: Meditation - Then and now (http://www.yesplus.org.br/). Disponível em http://www.youtube.com/watch?v=_OS5ez7DVzs. Acesso em 25/10/2011.

2 comentários:

  1. San, querida! Estou nesse processo e como é difícil não se distrair com o externo, basta um descuido e pronto! De volta ao velho padrão...será que eu aprendo? rsrs
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Medite, cafanhoto... medite...
    O contexto em que você está é um privilégio - poder meditar três vezes por dia e sem tantos apelos externos. Dificilmente o "velho padrão" te pega novamente. ;-)
    Beijos
    Sandra

    ResponderExcluir