segunda-feira, 22 de abril de 2013

Pensamento Sistêmico e Inteligência Coletiva

Desenvolvimento Humano nas Organizações
Pensamento Sistêmico e Inteligência Coletiva
com jogos cooperativos de tabuleiro

Uma época de desafios complexos e com alto nível de imprevisibilidade exige a capacidade de pensar de forma sistêmica. Quando estamos buscando soluções, precisamos considerar o cenário completo, os elementos que estão presentes e como eles se relacionam.  Assim como acontece num jogo de tabuleiro, os movimentos que fazemos têm desdobramentos e modificam continuamente as condições de jogo.

Mais do que simples entretenimento, os jogos de tabuleiro podem ser valiosos instrumentos de aprendizado e transformação - principalmente se aplicados em contextos que envolvem pessoas interessadas em cooperar na construção de novos modelos de organização, de sociedade e de relações humanas.

Relações em Jogo®
Sentar ao redor de um tabuleiro ativa forças grupais tão primitivas quanto sentar ao redor de uma fogueira. Começa pelo simples “sentar em círculo”, que significa: estamos em posição de igualdade. Somos convocados de uma forma ancestral - e isso não é brincadeira, é muito sério. O círculo ativa imediatamente o sentimento de pertencimento. Ele é inclusivo e igualitário.

A origem dos jogos de tabuleiro é bastante incerta, mas há registros de jogos em diferentes civilizações. O escritor Nigel Pennick pesquisou o paralelismo entre os jogos de tabuleiro e o funcionamento das cidades, em diferentes culturas. Os jogos sempre foram usados como representação da organização geográfica e social de um povo.

O que faz do jogo de tabuleiro um instrumento tão rico para o trabalho com pessoas? Primeiramente, o tabuleiro é colocado como um elemento central, para onde as atenções convergem. Ele permite ver o cenário completo. Todos os elementos estão ali representados e é possível entender como eles se relacionam. Ou seja, ele dá uma visão sistêmica. É possível ver os desafios do caminho e os recursos para superá-los.  A trilha – elemento essencial no tabuleiro – é uma metáfora do caminho a percorrer. Ela simboliza a jornada para atingir um determinado propósito.

O caráter lúdico da experiência permite abordar temas desafiadores e delicados de forma confortável, preservando os participantes e evitando confrontos improdutivos e desgastantes. As resistências do grupo diminuem muito quando se tem um elemento lúdico como mediador da vivência. O ganho em termos de qualidade na comunicação é imenso. O jogo é um simulador que permite aos participantes o exercício de novas possibilidades, num contexto protegido. Não há risco no jogo. Ele é muito efetivo no desenvolvimento de habilidades duradouras, que resultam em transformações significativas na comunicação e nas relações interpessoais no trabalho. Isso porque ele atua muito profundamente na mudança de percepção das pessoas.

A competição não tem sentido num contexto onde não há escassez. A liderança não é troféu. É um equívoco pensar que a única coisa que motiva as pessoas é a competição e algum tipo de troféu. As pessoas são mais interessantes do que isso. 

A liderança existe, mas não está restrita a uma pessoa. A liderança é um princípio, não uma pessoa - é a liderança circular. Dessa forma, não há razão para comparar desempenhos, na disputa pelo escasso posto de líder. A competição não tem sentido num contexto onde não há escassez. A liderança não é troféu. É um equívoco pensar que a única coisa que motiva as pessoas é a competição e algum tipo de troféu. As pessoas são mais interessantes do que isso. Então, o que move as pessoas quando elas deixam de se preocupar com as comparações e disputas por conquistas individuais e de curto prazo? Outras motivações mais sofisticadas começam a surgir. Curiosamente, todos começam a dar o seu melhor. As pessoas começam a acionar outros recursos e saltam para outro patamar, como grupo.

Utilizar jogos de tabuleiro no desenvolvimento de grupos de trabalho é um negócio ousado. Paradoxalmente, é ousado exatamente pela simplicidade. Há uma saturação de recursos sofisticados e tecnologias que desviam o foco do que devia ser o ponto principal: as pessoas. A proposta de trabalhar com um instrumento “rudimentar” como um jogo de tabuleiro permite a expressão do que há de mais criativo e espontâneo nas pessoas. É uma brincadeira.

Cria-se um ambiente muito simples com os recursos essenciais. Dessa forma, o foco é colocado nas pessoas e nas relações. Liberadas das preocupações com disputas, as pessoas ingressam num outro nível de comunicação e criatividade. Elas têm a oportunidade de refletir sobre desafios comuns. Podem compartilhar experiências e percepções. Criam um espaço no qual todas são ouvidas. Caminham pelo tabuleiro juntas e percebem que podem construir e trilhar uma verdadeira jornada de transformação. Definitivamente, isso é muito ousado.


Sandra Felicidade 
Consultora e Coach 
Facilitadora de Processos de Mudança

Os jogos cooperativos de tabuleiro são aplicáveis em diferentes contextos, com temas personalizados e diferentes níveis de complexidade e profundidade, dependendo do perfil e propósito do grupo. Informações sobre workshops: sfelicidade.psi@gmail.com / (41) 3503-6698 ou (41) 9699-2665

Nenhum comentário:

Postar um comentário