domingo, 27 de dezembro de 2015

A Música

♫ ♪ ♫ ♪  ♫ ♪ ♫ ♪ ♫ ♪ ♫ ♪ ♫ ♪ ♫ ♪ 

Será que hoje Cazuza diria que o seu partido é um coração partido?
Renato Russo estaria na Legião dos que perguntam que país é este, mas se mantêm livres dessa gosma política?
E Belchior, afastou-se de tudo porque entendeu a divina comédia humana onde nada é eterno?
Sorte deles. Não serão lembrados como coxinhas ou petralhas
Continuarão sendo mitos e autores de letras geniais
Posso continuar gostando deles sem medo da fúria que vem dos polos
Mas nós aprendemos palavras duras
Como dizer petralha, coxinha, corrupto, reaça
Então já não posso ouvir meus CDs do Chico impunemente
Meu vizinho da direita vai dizer que eu sou petralha e corrupta
Também não posso ouvir meus CDs do Ultraje nem do Lobão
Meu vizinho da esquerda vai dizer que sou coxinha e reaça
Aqui no meio, ouço os futuros amantes do Chico
A rebeldia sem causa e inútil do Ultraje
E a vida bandida sem revanche do Lobão
Não dou explicações nem tenho crise de identidade
Sabedoria na vida é suportar a ambiguidade
A música transcende tudo e está além da dualidade

♫ ♪ ♫ ♪  ♫ ♪ ♫ ♪ 

Nenhum comentário:

Postar um comentário