domingo, 3 de janeiro de 2016

Criatividade e Física Quântica

"Se você não sentir que uma certa questão deva ser investigada, que ela é importante, não o faça. Dê um tempo. Já tentou se comprometer com sua própria liberdade? Existem movimentos de consciência sutis, sincronicidades, e eles nos ajudam. Não estamos sozinhos
 em nosso esforço pela atividade criativa."
 Amit Goswami


Amit Goswami é conhecido pela capacidade de cruzar as fronteiras do pensamento científico convencional. Além de integrar ciência e espiritualidade, ele é um pensador transdisciplinar e traz sempre uma visão abrangente numa linguagem acessível, própria de quem dialoga com todos os públicos. 

No livro Criatividade para o Século 21, Goswami fala do processo criativo a partir da visão de consciência da física quântica. Considera ainda a sincronicidade e o inconsciente coletivo como elementos essenciais na criatividade. O livro fala sobre a criatividade na ciência, nos negócios, na arte e no nosso processo de evolução individual.

Para ele todos nós somos criativos e o insight é o salto quântico que rompe com nossas formas convencionais de pensar e abordar as questões da vida. 


Criatividade para o Século 21*

A criatividade é intencional. Mas por que criatividade? No nível pessoal, o propósito da criatividade é explorar nossa intuição – os contextos arquetípicos de pensar e sentir – e fazer com que ela se manifeste. Cientistas investigam sobretudo o arquétipo da verdade, enquanto os artistas voltam-se notadamente para o arquétipo da beleza; os negócios seguem o arquétipo da abundância, e a criatividade interior segue sobretudo o arquétipo do amor e da bondade, e assim por diante. Leva tempo para explorar os arquétipos, não uma vida, mas muitas vidas são necessárias. Thomas Edison intuiu corretamente essa condição quando disse “Gênio é experiência. Alguns parecem pensar se tratar de um dom ou talento, mas ele é fruto de uma longa experiência em muitas vidas. Algumas almas são mais velhas do que outras, e por isso conhecem mais.” 

Para a maior parte de nós o gênio parece estar engarrafado – libertar o gênio equivale a se tornar um gênio. É líquido e certo que ao compreender o que a criatividade significa, o papel que ela desempenha em nosso autodesenvolvimento, o modo como nosso processo criativo funciona e de onde vem nossa motivação, faremos as vezes de valioso auxílio para que muitos ultrapassem as barreiras que nossos conceitos limitantes impõem à nossa criatividade natural. Pode a criatividade se expressar com tanta potência como a de Einstein, a de Gandhi? Depende de nós mesmos. 

Amit Goswami

*Criatividade para o Século 21: uma visão quântica para a expansão do potencial criativo / Amit Goswami - São Paulo: Goya, 2015.


Nenhum comentário:

Postar um comentário